09 06 2012 | the xx

Estava pronta para dar uma estudadinha esperta quando resolvi colocar uma música pra deixar tudo mais empolgante. Foi então que eu lembrei do The XX e em seguida lembrei que enquanto estava em Torino eles tocaram em plena praça, de graça e foi um show muito legal.

A praça Carlo Felice ficou lotada e com pessoas de todas idades. Inclusive isso me lembra algo com a qual me impressionava sempre que ocorria: pessoas de todas as idades indo a shows de todos os tipos de música. Mas quando digo todas as idades é todas meeeesmo, sem dúvida era cheio de gente la pelos seus 70 anos..

Mas enfim, resolvi postar no blog e acho que vai ser assim daqui em diante… como não consegui escrever todas as minhas experiências, sempre que bater uma saudade eu posto, assim revivo um pouco do que se passou mais uma vez. :)

image

image

Portugal 3/3, muito gradicida!

Portugal é uma país para se visitar caminhando, observando as coisas, os prédios, os nomes das ruas, os “miradouros” (mirantes, em português brasileiro). As idas aos pontos turísticos também são importantes, principalmente para entender o que se vê cidade a fora..

Bom, mas esse sendo o último post da série de Portugal, resolvi colocar tudo que faltava dizer, mesmo que não conseguisse interligar as informações, hahahahahah

image

 Museu do Azulejo. É um museu bem interessante, que concentra boas informações sem ser cansativo. O próprio prédio do museu é já cheio de azulejos que se tornam  parte do acervo.

Casa Independente É uma das várias novas casas do circuito cultural independente. Ela está localizada no Largo do Intendente e faz parte das iniciativas de revitalizar a região em que se encontra. (Até poucos anos atrás, vários portugueses nem chegavam perto dessa rua, de tão denegrida e tomada por usuários de drogas entre outros…) A Casa é realmente uma casa, que foi reaproveitada como espaço cultural, mas que mantém as características de seus comodos, com cristaleiras, lustres, grandes mesas de jantar… Fica bem em frente a uma residência artistica, a LARGO, que foi a primeira estadia lusitana da Mari e do João.

Lá vimos o show de duas bandas portuguesas muito muito muito boas! They’re Heading West e Noiserv (que na verdade é uma banda formada por um cara só tocando 20 mil instrumentos, incluindo instrumentos de brinquedo =D)

Primeiro Andar Também uma casa de shows, com petiscos, bar tudo junto. Imagino que antes não era uma casa, como a Casa Independente, mas também tem a mobília toda aconchegante de uma casa de verdade, vários ambientes e um doce muito fantasticamente bom e barato que não lembro o nome!

image

Siniff Lisbon Uma campanha espalhada pela cidade em posters, grafitti, e diversas outras intervenções para divulgar uma característica particular da cidade, o cheiro! Acheei muito muito curiosa e interessante! Ainda quero me aprofundar mais sobre o assunto mas só de ver o tumblr deles já gostei!

image

Pensão do amor Ficou faltando conhecer, parece ser taãããão legal! É uma pensão que foi reaberta e homenageia a história do prédio, que, localizado na região portuária Cais do Sodré, antigamente era frequentado por marinheiros e prostitutas. Hoje abriga diversas exposições, ateliês de trabalho, bar, restaurante, cabelereiro, lojas de lingerie, livraria erótica… Tudo com a decoração bem coerente à homenagem! Esse vídeo aqui mostra um pouquinho de como é lá!

image

A casa do João Foi escolhida só porque era do 50 Cent!

image

quinquilharias na ladra

Feira da Ladra Além do nome super engraçado, esse é um mercado de pulgas muito legal! Acontece todas as terças e sábados, desde cedo atééé por volta das 17h da tarde. Lá eu achei um relógio Cassio daquele dourado super hipster e em falta no mercado por um preço muuuito módico… Mas vi muitas coisas bem antigas, bem conservadas e interessantes por preços muito bons! Vale a pena ir lá conhecer!

Babete Gastrobar Um restaurante muito lindo e com comida brasileira, em especial mineira! Nham Nham Nham… comi bolinhos de mandioca, a Mari comeu um escondidinho de bacalhau e o Gabri um prato completo com frango cozido, farofa com couve, mandioca frita e arroz. Olha a cara de felicidade dele!

image

Os muito obrigadas à Mari e ao João que mesmo no meio das aulas nos receberam super bem e foram ótimas companhias todo o tempo da viagem; ao Carlos nosso colega de sala português que nos deu todas as dicas de coisas interessantes para se conhecer e fazer por lá; à Pati Saggioro que também nos deus preciosas dicas, principalmente de comidas, nham nham nham… Ao meu pai, à minha mãe e às minhas irmãs porque eles são muito legais; Ao Gabri por ser o melhor companheiro de viagem e ter paciência mesmo quando eu fico doente no meio da viagem; e à família Figueiredo Arantes por terem colocado o Gabri no mundo! =D

image

Obrigadão, Mari e João!

image

Pati, quando a gente chegou no hostel de Porto, olha quem a gente viu! é você! trazendo a comida e tudo!!!

image

e claro, um muito obrigada ao restaurante Hare Krishna que a gente foi que tinha a sopinha mais gostosa e reparadora do mundo! =D

Portugal, ora pois pois! 2/3

Os portugueses são pessoas incrivelmente educadas e gentis. São como os ingleses em termos de educação, mas com uma calorosidade e uma atenção a mais de fazer a gente sorrir em qualquer ambiente. E isso foi geral, em todas as cidades que fomos. Às vezes a educação ainda vem acompanhada de diminutivos, o que é muito engraçado e bonitinho ao mesmo tempo! “eu vou querer um doce desse” “Claro, aqui está o seu docinho” “Então tá, tchau, beijinho grande!” hahahah 

image

Outra coisa que me chamou muito a atenção e que eu não esperava, era encontrar as coisas lindas de design gráfico que encontrei. Só o fato de andar pelas ruas vendo todos aqueles azulejos, formando padrões diferentes, colorindo a cidade, já era uma coisa fantástica. Mas descobrimos também que existem várias empresas que comercializam produtos bem antigos e típicos como cremes, sabonetes, balas, azeites, sardinhas utilizando versões de rótulos antigos. Achei muito legal para reforçar a relação histórica daqueles produtos com o país. Cada rótulo era mais lindo do que o outro, mais diferente.. E como dica de um lugar que todo turista deve ir se quiser levar um souvenir bonito e útil deixo A Vida Portuguesa. A loja é fantástica e lá se encontra tudo isso que falei anteriormente além de vários caderninhos da Serrote. A ida para designers gráficos é simplesmente obrigatória (seja na loja de Lisboa, seja na de Porto). Os preços não são de 1,99 mas são justos. Achei educativo pro olhar também… hahahahha se não a gente compraria tudo sem nem pensar… mas como não é super barato nos faz escolher ainda melhor!  (PS: a Conserveira de Lisboa também é um lugar muito legal para olhar embalagens lindas)

Por falar na vida portuguesa, a Mari nos deu um relato que achei muito legal. Enquanto eu e o Gabri ficavamos super contentes com o preço das coisas como bebidas, comidas, em restaurantes ou supermercados, ela nos falou que para os portugueses são preços bem altos. E que lá, um pouco diferente daqui, todos tem sentido a crise bem fortemente. Aqui se fala pouco sobre o tema, ao menos entre os jovens…

image

Tanto em Porto quanto em Lisboa, se vê muitos prédios antigos que são abandonados, quase caindo aos pedaços, sutando por muito pouco a cair. A Mari nos disse que, em alguns deles, para que não caiam as pedaços e não sejam ocupados, fazem de tudo, cobrem as janelas de tijolos, põe estruturas de ferro, como na foto acima… Mas são tão comuns os prédios abandonados, que um amigo da mari que é artista fez por um tempo algumas réplicas em miniaturas desses prédios e vendia a turistas, dizendo ser algo típico de Lisboa. Achei muito fantástica a ideia dele!

Escultura na entrada do CCB

Já que introduzi o tema “coisas turísticas” seguem os passeios para não se deixar de ver: Centro Cultural de Belém É um pouco distante do centro mais muito acessível. Tem um projeto arquitetônico super lindo e um acervo de obras de arte contemporânea muito legal e que ainda por cima pode ser visitado gratuitamente! 

image

Seu camões!

Pertinho tem o mosteiro dos Jerónimos. Muito bonito também! Lá dentro tinha a tumba de Camões e de Vasco da Gama. Achei isso tão bonito! E foi até aí que percebi uma coisa muito interessante… Portugal é um país com uma identidade nacional muito antiga, então os elementos de representação dessa história, dessa nacionalidade se repetem em cada uma das cidades. Já a Itália, por exemplo, possui apenas 150 anos de unificação nacional e ainda que os nomes das ruas em qualquer cidade sejam sempre os mesmos heróis nacionais, quando você vai a uma região, você conhece mais daquela região do que da própria Itália. É lógico que uma coisa está dentro da outra, mas em Portugal eu senti tão clara e sólida a idéia de nação, que me fez entender que a nação italiana é ainda muito jovem…

E por falar na velhice de Portugal, o Castelo de São Jorge em Lisboa é muito bonitão! Dentro dele tem uma região de jardins em que você encontra nada mais nada menos que um tanto de pavão. E eles andam no meio de nós, assim, que nem pombo! 

Para completar esse trecho de Lisboa, andando um pouquinho mais à frente tem os Pastéis de Belém, que além dos pastéis de nata mais incriveis que uma pessoa pode experimentar em Portugal tem vários salgadinhos sempre fresquinhos… como bolinho de bacalhau, pastel de atum, pastel de camarão, enrroladinhos de legumes (nham nham!) E a loja é linda! com cara de parada no tempo, conservando as estruturas tão bem quanto a tradicional receita do pastel de nata… E na mesma onda só que mais ao centro da cidade, tem a Queijaria Nacional, onde a gente comeu além de um queijo fantástico a melhor queijadinha de todas!

image

image

fotos constrangedoras na loja Pastel de Belem

Portugal, ora pois! 1/3

Os queridos João e Mari chegaram em Portugal agora no inicinho do ano e aí eu e o Gabri nos sentimos super motivados a ir conhecer a metrópole portuguesa. Fomos do dia 20 ao 27 e conhecemos três cidades: Lisboa, Porto e Guimarães.

Foi uma experiência muito surpreendente e cheio de sentimentos estranhos e bons. A começar pela sensação de estar na europa e poder falar português, tão estranho… Antes mesmo de sair de Torino já ficava me perguntando como seria isso… E foi tranquilo, eles nos entendiam mas várias vezes a gente não entendia eles… A Mari me apresentou uns modos de falar deles muito engraçados: “Fixe”, é o correspondente ao nosso “legal”, blusa de frio eles chamam de camisola, calcinha e cueca são chamados de cueca, os diminutivos estão sempre presente, são tão usados, mas tão usados que para despedir no telefone alguns dizem “tchau, beijinho grande!”. Mas meu preferido de tudo o que ouvi foi que para expressar alguma sensação, tipo muito frio, muito calor, muita fome, eles dizem “estou cheio de frio”,”essa manhã estou cheia de calor”, “cheia de fome”. Achei tão interessante e bonito!

Ao olhar para as cidades, vinha uma sensação de dejavu incontrolável! Peraí, eu tô em Ouro Preto? Diamantina? Sabará? São muitos morros, ruelas, escadarias, e principalmente muitas igrejas. Todas elas são muito bonitas, uma beleza bem diferente de outros lugares europeus. E quando se entra nelas e se vê aquela quantidade exorbitante de ouro (ainda MUITO maior do que as que vemos nas nossas cidades históricas)…. é uma beleza muito grande, algo que acho que só vi em Portugal… A cada igrejinha, entretanto, era impossivel não pensar “tudo isso veio do Brasil!”, “Como Portugal era rico!” “Inch Ala!”

Mas o que chama ainda mais atenção não era a quantidade de igrejas e ouro nelas, mas o quanto elas ainda são utilizadas… Estão sempre ali, lindas, exibindo o seu ouro, mas estão abertas para fiéis, que as frequentam bastante. Sempre com alguém a rezar… Em Guimarães tivemos ainda a sorte de, na capela-mor do Convento de São Francisco chegar momentos antes de uma das missas de domingo e presenciar o órgão que era tocado para que os fiéis entrassem e se acomodassem… muito muito bonito de se ver.

 

Aliás, Guimarães é uma cidade muito bonitinha de se visitar… pequenininha, a uma hora e meia de Porto, ela é cheia de igrejas, com um castelo de muralhas gigantes correspondentes exatamente ao modo como nós desenhamos um castelo quando somos crianças… É tudo tão antigo, mas tão bem conservado e bonito! Dizem que lá é onde nasceu Portugal! Pena que fomos ao domingo, quando quase tudo está fechado… Mas ainda assim valeu bem a pena conhecer!

 

João diz:
 ”Essa pedra dentro do castelo é pequena demais para nós dois!”

acho que o João venceu…

Que 2013 seja um ano de levezas. Que possamos ouvir mais, amar mais, e aprender mais. Conosco e com o nosso próximo!

Che 2013 sia  un’anno di leggerezza. Che si possa sentire di più, amare di più, imparare di più. Con se stesso e con tutti quanti.

Foi aí que eu entendi que saudade é quando a gente tá aqui, mas os outros estão lááá, do lado de lá.

Saudade é uma coisa realmente engraçada. 

Durante a semana do dia 5 ao 11 de novembro muitas coisas legais para fazer apareceram. Na verdade, pra quem ficou todo esse primeiro ano contando com pequenas doses homeopáticas de eventos, cursos e oportunidades de contato relacionadas ao design gráfico, essa semana foi quase uma overdose de realização.

Muitas coisas legais que não apenas quebraram a monotonia da metodologia e conteúdo com que estamos convivendo na universidade mas também que fizeram reacender a alegria, a satisfação que dá quando a gente faz e aprende com aquilo que realmente gosta.

Mas além disso, foi nessa semana que percebi que é quando a gente começa a “se encontrar” em um lugar é que a gente realmente sente saudade. Não sei se consigo explicar, mas parece que de alguma forma o deslocamento que sentimos quando estamos distante da nossa origem ameniza esse sentimento que é “da alma brasileira”. Durante esse período de limbo, ainda estamos meio errantes, tentando entender como se encaixar, vagando entre aqui e lá para achar o “que” e o “como”… E aí, de uma certa forma a gente fica mais próximo dos nossos… sempre tem um tempinho para ficar de olho nas notícias, na vida dos amigos, no que a mãe fez de almoço… Mais do que isso, a gente fica mais próximo dos nossos dentro da gente mesmo!

Mas quando a gente encontra uma rotina um pouquinho que seja parecida com a que a gente tinha antes de sair do lado de lá, uma rotina de trabalho, estudo e cansaço que faz bem e faz valer a pena a distância que se criou…é exatamente nesse momento que a saudade aperta. Esse é um momento em que nos sentimos muito bem conosco mesmo e com o que estamos construindo e dá um orgulho e uma satisfação sem igual! Então você vê que não sobrou tempo de contar para ninguém do lado de lá o quanto foi bom. Que se passou uma semana e você não tem a menor idéia do que está acontecendo nas bandas de lá… E aí, de repente, o nosso “eu” começa a vagar cada vez menos e se aproximar fisicamente da gente mesmo. É que esse “se encontrar” do lado de cá vai tirando a gente do limbo… E esse “se encontrar” sem encontrar os que estão do lado de lá é o que faz a saudade aumentar…

Com esse grupo ingles aprendi q occitano é um dialeto q se fala em occitana,entre a franca e italia, de onde vem a marca L’occitane. Também foi no EuroCantat2012 mas não lembro o nome do grupo….

#eurocantat2012 #torinovazia #julho2012 

l'occitane!

Tarantella
Como já disse antes, Torino fica vazia depois do meio de julho… Praticamente a única atração cultural que tinha era o EuroCantat - festival europeu de corais.
Dentro da programação do festival vi umas coisas não muito boas, mas vi também minha primeira tarantella. Jovens e não tão jovens dividiam a alegria de dançar a tarantela no meio da praça! 

#julho #torinovazia #tarantella
tarantella!

Babarabupi Tour 2012

Tosca na Arena de Verona

A Babarabupi Tour foi uma viagem bem grande. Ao todo 15 dias desbravando tudo que dava para desbravar Itália a fora de carro.

A verdade, é que muita coisa legal aconteceu durante esses dias e desde então eu tô tentando por ordem no cérebro pra digerir tanta coisa e tentar escrever um pouco do que foi… Mas é coisa de mais. E dessa vez o que eu mais gostei da viagem inteira foi poder fazer ela com a família Figueiredo Arantes. É muito legal poder ver tudo aquilo e comentar em tempo real o que a gente estava vivendo!

Era legal ver todo mundo tentando entender o italiano e pronunciando tudo errado, que nem quando a gente chegou aqui. Ensinamos tudo o que dava! Quando entrar, tem que dizer “Buongiorno!”, quando sair é “Buona giornata!”. Eles usam palavras demais, vai ser dificil decorar, fala o que você que e coloca um “per favore” no final que já é muito educado! Aqui as bebidas são sempre de temperatura ambiente a muito quente, então tem que pedir “una più fredda”. A Leca e o Junior foram os campeões em falar italiano! Se saíram super bem! 

Aliás, foi a primeira vez que viagei com a Leca e o Ju como namorados e conheci a coisa mais fofa que é ver os dois conversando: “vem cá namorado”, “vem você, namorada”. Foi muito bonitinho! Agora que eles já tem umpouco mais de um ano de namoro, como diz a Gabi Terenzi já era hora deles falarem sobre alguns assuntos delicados, eu inseri na pauta o assunto “pum” Mas o Ju não curtiu muito não…hihihi

No dia dos pais fomos no Museo do Automóvel, assunto que praticamente todo pai gosta. E o Júnior adorou! Outra coisa que foi muito legal, foi ir no Museu do Vinho lá em Barolo! Era muito legal ver a cara de empolgação que o Moreco ficou! Era igual criança em fábrica de chocolate. Eu também adorei! Os textos eram extremamente poéticos e envolventes. Falam da cultura em que o vinho está emerso e não apenas da produção. Muito muito legal poder estar com eles lá.

As lojas também foram um capítulo a parte. Desde supermercado e loja de souvenirs às mais chiconas, tipo a do Luis Vitão e os outros nomes em italiano. Fizemos pesquisa com a Mary, e garimpamos tudo o que dava. Fomos a H&M e a Zara no piemonte, na lombardia, na toscana, em veneto… E apesar de parecer exagero, era muito interessante perceber como os acervos variam de região pra região. Uns com mais estampas, outros com mais bijus, outros mais senhoris… E supermercados também são muito legais de visitar. Poder comparar como um mesmo produto aqui é bem mais barato do que no Brasil e ainda como todos os tipos de banana que conhecemos na nossa terra natal aqui na europa fica reduzido a um único cartazinho: “bananas” e um preço bem mais caro! Aliás, edeve ser tão dificil chegar banana aqui, eles são acostumados a comer as verdes… quando estão maduras como a gente gosta elas entram em promoção (e ai eu faço a festa!)

Por falar em compras, passamos em diversas cidades medievais, o que me fez lembrar muito do meu primo, Luccas que adora tudo isso. Comprei duas espadas de madeira pra ele, muito legais. Até saí pela cidade de San Gimignano a fora com a espada embanhada no meu vestido. Meu medievalismo era tanto que inspirou a Leca a me desafiar a ir no meio da praça e gritar um rá bem alto, com a espada levantada pro céu. “Challenge accepted!” Até ganhei 5 euros para isso. RÁ!

Fotografia é o que não falta. Leca e Ju são fotográfos de profissão, o Moreco é fotografo de paixão, a Mary é que nem eu e gosta de fotografar tudo pra lembrar e contar pros outros depois! O tempo inteiro era foto. Pra cada pose, três cameras, dois celulares no instagram. Foto do outro fazendo foto. Foto da foto da foto que o outro tava fotografando. Era inevitável. O album de viagem vai ter o ponto de vista de todo mundo e até os fotógrafos inevitavelmente vão aparecer! Aliás, tirei bem poucas fotos pro normal que estou acostumada, porque com a máquina do Ju, da Leca e do Júnior tudo já ia ser tão mais bonito….

Lembrei de muita gente enquanto a gente viajava. Lembrei muito da Gabi Terenzi, que já tinha viajado por vários lugares e deu umas dicas… Também porque se não fosse ela tão bem informada, nunca que a gente ia saber que tava na temporada de operas na arena da cidade de Verona. Um dos momentos mais emocionantes pra mim. Lembrei de quando fazia teatro, do quanto o teatro me fazia bem, lembrei de todos do teatro, da Lígia que tinha acabado de concluir o mestrado em Performance Musical e de todos os amigos que usam a arte para promover o bem. Sei que chorei horrores! Foi lindo, assistimos à Tosca, que foi escrita por um italiano, Giacomo Puccini (o que me lembrou do heleno puccini colega da uemg…), e conseguir acompanhar e entender tudo com o libretinho! Acho que todos nós adoramos estar lá naquele momento…

Também em Verona conhecemos a casa da Julieta, que é a maior jogada de marketing que a prefeitura de uma cidade poderia inventar. Mas quando estava lá lembrei muito carinhosamente de todos os casais de amigos que tenho…. Inclusive deixamos lá um cadeadinho com os nossos nomes. Cada casal deixou um! E agora temos que voltar lá daqui a 10 anos pra ver se ainda tá lá…

A gente ficou perdido indo para uma micro cidade distrito de outra micro cidade que era onde iamos dormir. Chegamos ja depois das 21h em Vinchio, distrito de Asti e ai já não tinha nadica de nada aberto e tivemos que ir para o distrito de Vinchio, Noche onde tava tendo uma festa com a cidade inteira - o que parecia não passar de 300 pessoas. Digamos que foi uma experiência antropologica… niguem que falasse inglês, em meio ao piemonte nada de comida sem carne.. mais roça impossivel! Mas foi super interessante pelo menos. E pra compensar no dia seguinte  o B&B que a gente ficou tinha um tipico café da manhã italiano. Nunca vi mais farto! compensou todos os desencontros!

Por fim, esse é o roteiro que a gente fez. Com o mapinha do google e tudo mais! Pode ser que com o tempo minha cabeça se organize melhor e eu consiga falar mais sobre como foi tudo, mas por hora só consigo agradecer à Leca, à Mary, ao Ju, ao Junior e ao Gabri por dividirem as férias de verão com a gente aqui! E também por terem gostado mais de Torino do que da maioria das cidades, hihihihi.

Babarabupi Tour 2012


Chegava o natal mas não aterissava a família. Chegamos 11h30 no aeroporto de Linate/Milano, para receber o Júnior, a Mary, a Leca e o Juliano. Deu a hora deles chegarem mas “só” saia daquela portinha, indiano, italiano, londrino, sheik arábe… Tava até apertando o coração de tanta agonia esses minutinhos finais dos 11 meses de distância. Até que de repente… TA-DAN! Abriram a porta da esperança e tava todo mundo saindo de lá! Wiiiiii

Começou a Babarabupi Tour em família!

Era abraço que não dava mais, diputa pra ver quem abraçava primeiro, ansiedade pra conversar sem parar! Ninguém tava nem aí pras malas! Dá até pra ver em uma das fotos as malas caidas no chão! hehehehe

Rapidinho a gente chegou na estação central pra ir pro hotel! E ai quem quase foi pro chão foi eu, tentando tirar fotos na escada rolante! foi divertido, pelo menos!

14/07/12 Lançamento da 8ª edição da revista de ilustração Nu®ant no Archivio Tipográfico de Torino - 6/6

panoramicas

14/07/12 Lançamento da 8ª edição da revista de ilustração Nu®ant no Archivio Tipográfico de Torino - 5/6


Trabalhos impressos e/ou expostos no dia

14/07/12 Lançamento da 8ª edição da revista de ilustração Nu®ant no Archivio Tipográfico de Torino - 4/6

gavetas e tintas

14/07/12 Lançamento da 8ª edição da revista de ilustração Nu®ant no Archivio Tipográfico de Torino - 3/6

Os tipos…

14/07/12 Lançamento da 8ª edição da revista de ilustração Nu®ant no Archivio Tipográfico de Torino - 2/6

As máquinas…

+ Load More Posts